Instituto São José (Rede Salesiana de Ensino) Queridos alunos, seguidores e interessados no blog:

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Redação da semana: FELICIDADE


Felicidade

Proposta de redação


A coletânea de recortes que você lerá a seguir foi retirada de fontes variadas e faz uma abordagem de temática social contemporânea.


Pensando no texto que lemos em aula de Marina Colassanti e nas discussões em sala de aula, redija uma redação sobre o seguinte tema:


“Felicidade é algo que independe do que está à nossa volta. Desfrutar e saborear a vida é o nosso maior compromisso. As coisas ruins também fazem parte da vida e quem aceita isso enfrenta melhor o sofrimento, sem perder os momentos de alegria”.
Psicanalista Luiz Alberto Py.

Coletânea
Texto 1
Do livro Dinheiro pode comprar felicidade, da Editora Gente, a norte-americana especialista em finanças MP Dunleavey aborda o tema felicidade. Observe o que ela recomenda:


1. Estar envolvido com a família, os amigos e a comunidade.


2. Ter mais tempo para si.


3. Desenvolver suas habilidades, interesses e talentos (por isso, é importante trabalhar com o que gosta).


4. Diminuir o estresse financeiro.


5. Melhorar a saúde em todos os níveis.


6. Divertir-se mais (muito mais).


7. Garantir o futuro financeiro.


8.Encontrar maneiras significativas e prazerosas de se doar aos outros. (<http://web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp?odigo=1255182&path=/suasfinancas/>).


Texto 2
A receita da felicidade


• O primeiro passo é aceitar que a felicidade não é um estado permanente, ela vai e volta.


• Não há problema em ser infeliz algumas vezes.


• Invente sua própria filosofia de felicidade. Não aceite o consumismo publicitário.


• As pesquisas mostram que as pessoas felizes são aquelas que se cercam da família e dos amigos, se  culpam em atividades diárias e, mais importante, perdoam com facilidade.


• Em vez de se projetar no futuro, sinta o bem-estar e a satisfação que as coisas lhe dão no momento presente.
Revista Isto É, 28 set. 2007.


Texto 3
A felicidade é a única coisa que podemos dar sem possuir. (Voltaire).


Texto 4
Para brasileiro, renda é determinante de felicidade


Em um país com grande desigualdade social como o Brasil, a renda figura como um dos fatores mais significativos para determinar se a pessoa é feliz ou não. Esse foi um dos resultados da dissertação de mestrado Economia e felicidade: um estudo empírico dos determinantes da felicidade no Brasil, da economista Sabrina Vieira Lima, apresentada na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEARP), da USP. Além de maior renda, disseram-se mais felizes os que estão empregados, casados, homens e que não eram nem católicos nem espíritas (o estudo considerou espírita os seguidores de candomblé, espiritismo e umbanda). Os dados analisados foram coletados dos levantamentos do instituto World Values Survey 1991 e 1997, dos EUA, realizados com 2.931 brasileiros de todas as regiões do país. A dissertação corrobora a literatura internacional atribuindo uma significativa relação positiva entre renda e felicidade. “Essa relação tende a ter um peso maior para as pessoas que estão próximas da linha de pobreza ou de situações de não-atendimento adequado de suas necessidades básicas de sobrevivência”, explica Sabrina.


O estudo mostrou que a renda absoluta tem muito mais impacto na felicidade do que a comparação entre a pessoa e seu próximo. A pesquisadora aponta que isso pode ocorrer pelo fato de o Brasil ser um país no qual a maioria das pessoas está concentrada em faixas baixas de renda, o que pode significar que o fato de se ter alguma renda é mais importante para a pessoa do que sua comparação com seus pares.


O mesmo ocorre com o emprego: mais importante do que a probabilidade de se conseguir um emprego ou a probabilidade de perdê-lo, não estar desempregado é mais significativo para a determinação da felicidade. Para esse levantamento, foi considerada apenas a população economicamente ativa, ou seja, desconsideraram-se crianças, jovens e aposentados.


De modo geral, quanto à religião, os católicos e os espíritas declararam- se menos felizes do que muçulmanos, hinduístas, budistas, ortodoxos, protestantes e judeus. “Isso não quer dizer que sejam infelizes.


Apenas que, comparativamente com as outras religiões, são os que se diziam menos felizes”, ressalta a economista. Já os homens mostraram-se mais felizes do que as mulheres e, as pessoas casadas, mais felizes do que as solteiras, viúvas e separadas. A escolaridade, a idade e a região do País não se apresentaram como fatores determinantes para a felicidade dos brasileiros, segundo a pesquisadora. (Naila Okita, especial para a Agência USP de Notícias). Mais informações: svieira.ecn@gmail.com, com Sabrina Vieira Lima. Dissertação orientada pelo professor Roberto Guena de Oliveira: <www4.usp.br/index.php/sociedade/286-para-brasileiro-renda-edeterminante-de-felicidade>.


Texto 5
IX - Sou um guardador de rebanhos


Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz. 
Fernando Pessoa. O guardador de rebanhos. (<www.jornaldepoesia.jor.br/alberrr.html>).


Texto 6
Os quatro requisitos


Definir felicidade é tão complexo e abstrato quanto decifrar a insanidade. Desde a Grécia Antiga, os filósofos estabeleceram uma diferença entre ser e estar feliz. Nos últimos séculos, o tema mobilizou artistas, pensadores, intelectuais e produziu frases antológicas. “O segredo da felicidade é encarar o fato de que o mundo é horrível, horrível, horrível”, resumiu o filósofo britânico Bertrand Russell, Prêmio Nobel de Literatura. Já Ingrid Bergman, a atriz de Casablanca, dizia que “felicidade é ter boa saúde e péssima memória”. Para os psicólogos, ser feliz é estar bem.


O psiquiatra e psicoterapeuta Flávio Gikovate vai lançar um livro sobre o que ele chama de medo da felicidade. Segundo ele, todos buscam esse estado de espírito privilegiado, mas acabam se desviando da rota ou se auto-sabotando por desespero. Ele percebe duas maneiras de pensar a felicidade: uma sensação de paz, compleitude e harmonia ou uma conquista. “O importante é perceber que a felicidade está no processo de chegada ao pódio, e não na permanência nele. Uma pessoa fica feliz ao comprar uma casa, mas esse sentimento se esvai em três semanas”, diz.


O psiquiatra propõe que a felicidade seja vista como algo dinâmico. É, em primeiro lugar, a obtenção de quatro requisitos mínimos: saúde física, estabilidade financeira mínima, boa relação afetiva e integração social. A partir dessas conquistas, alcança-se o ponto de equilíbrio e o que vier é lucro. A felicidade inclui ainda a auto-estima, o cuidado consigo e os prazeres intelectuais, como curtir uma boa música, um bom livro, se deleitar com um poema ou uma idéia nova. “Quem passa a tarde de domingo em frente à televisão assistindo ao Gugu ou ao Faustão não pode ser plenamente feliz.




Enfrentar os problemas cotidianos já é uma forma de buscar satisfação. “Felicidade é algo que independe do que está a nossa volta. Desfrutar e saborear a vida é o nosso maior compromisso. As coisas ruins também fazem parte da vida e quem aceita isso enfrenta melhor o sofrimento, sem perder os momentos de alegria”, diz o psicanalista Luiz Alberto Py. O ser humano tem uma capacidade inigualável de aceitar e se adaptar. Durante mais de duas décadas, um psicólogo conhecido como Doutor Felicidade procura as motivações que levam as pessoas a se sentirem satisfeitas com a vida. Professor da Universidade de Illinois, o americano Edward Diener notou que os mais bem realizados eram aqueles que se cercavam da família, dos amigos e, mais importante, sabiam perdoar.


Texto 7
Dinheiro


A partir de um questionário com apenas cinco perguntas, Diener avaliou o índice de satisfação dos americanos. Mostrou, entre outras  coisas, que assim que são atendidas as necessidades materiais básicas a renda financeira faz pouca diferença. “A relação entre dinheiro e felicidade é muito forte, mas tem limite. Quando a renda é maior do que US$ 10 mil por ano – cerca de R$ 2 mil por mês –, essa relação deixa de existir e o dinheiro deixa de ser a chave para a felicidade”, explica o economista Eduardo Gianetti da Fonseca.


“O dinheiro em si não traz felicidade, traz condições para a pessoa ser feliz, assim como um corpo saudável dá as condições para se ter uma vida mais feliz. O resto é estar em paz consigo e com a vida”, diz Rodrigo Loures, presidente da Federação das Indústrias do Estado








Orientação para o aluno


Inicie sua redação por uma citação (use, para isso, os textos da coletânea), caso cite como se encontra no texto, use aspas. Mas poderá fazê-lo citando um autor e transcrevendo dele a idéia principal.


Ao citar, evite: “segundo Fulano de Tal”; contextualize sua citação de modo a inseri-la no contexto necessário.


Evite colocar felicidade como referência de conquista do futuro porque esta é uma visão equivocada e religiosa dos fatos.


Contextualize seus exemplos, agregando a eles situações econômicas, políticas e sociais.


Inspecione o mundo contemporâneo e suas limitações para o estado de felicidade verdadeira. Lembre-se também de que a felicidade tem causas físicas de bem-estar.


Termine sua redação com uma sugestão para que as pessoas sejam felizes no mundo que habitamos.

Não se esqueça do título!



Segue a redação do aluno Daniel Khouri do 9 ano B.




O que é a felicidade para você ?

“Quem passa a tarde de domingo em frente à televisão assistindo ao Gugu ou ao Faustão não pode ser plenamente feliz"
Começamos com essa frase, e com uma pergunta: você é feliz? Afinal, o que significa FELICIDADE pra você? Se você sorrir você está feliz? Como demonstra isso?
Bom, há uma diferença entre ser e estar feliz. Se você ganhar na Mega Sena você estará feliz, pois isso não te garante uma felicidade eterna. Se seu time de futebol ganhar um campeonato, te fará feliz, só que não em um estado permanente. Felicidade é mais do que algo que acontece, é algo que é costume. Mas como assim?
Pesquisas dizem que para SER feliz, é necessário, principalmente, estar envolvido com a família, amigos e a comunidade, entre outras coisas.
Porém, em minha opinião, além de tudo que nos faz feliz, uma coisa que me alegra, no momento, e me dá uma "lição" de moral muito grande, é alegrar OUTRAS pessoas.
Amigo meu triste, eu vou e ajudo. Pessoas necessitadas que precisam de ajuda, eu vou e ajudo. E sabe, isso faz um bem muito grande pra mim, pois eu vejo que as pessoas podem contar comigo. Isso é estar envolvido na sociedade.
O problema que uma pesquisa apontou que no Brasil, renda é determinante de felicidade. Ela ajuda a ESTAR feliz, não a SER.
Pense nisso!

Segue a redação da aluna Maite Tinoco do 9 ano C.
Um sorriso

  Segundo o americano Edward Diener os mais bem realizados são aqueles que se cercam da família, amigos e que sabem perdoar. Averiguando essa frase vemos que a felicidade não surge do nada, nem é plena, pois o ser humano só aprende a valorizar o que tem no momento que perde.
  O sucesso na vida está relacionado com a felicidade. Sentimos-nos felizes aos seres úteis e ao prestar serviços a nossa sociedade a fim de melhorá-la.
  O perdão tem papel essencial para termos alegria. Isso ocorre porque ao perdoarmos tiramos todas as mágoas do coração assim tendo espaço para bons sentimentos. Esse sentimento também tem papel importante na aceitação dos erros de nós mesmos e dos outros assim com humildade recebemos a satisfação de sermos perdoados sentindo mais leveza.
  Citando uma história nesse texto que conta que um dia um professor aplicou uma prova aos alunos que exigia eles explicarem pontos pretos numa folha branca. Recolhendo as folhas de resposta e lendo-as disse que o objetivo não era se centrar nos pontos que seriam as tristezas, mas na folha em branco em sua imensidão de espaço para as alegrias que seria nossa vida.
   O valor de um sorriso, uma risada, um carinho é incalculável como a felicidade não se compra tente abraça-la tantos nas alegrias quanto nas quedas porque estas foram feitas para aprendermos assim fique feliz por ter a chance de melhorar a cada dia sempre pensando que tudo irá melhorar.

Segue a redação da aluna Bianca Carneiro de Sá Ribeiro 9º ano





Porque a felicidade não tem preço
“ A felicidade é a única coisa que podemos dar sem possuir”  (Voltaire).
                                                                              
Hoje em dia, a sociedade e a mídia pregam que para sermos felizes precisamos ter. Ter dinheiro, ter um carro, roupas de marca e poder. Mas como isso determina que somos felizes? Atualmente, achamos que a felicidade é algo a ser buscada, que virá com o tempo, ou até mesmo que se tivermos uma casa grande a felicidade aparecerá. Mas a felicidade não é algo a ser atingida ou comprada. Felicidade é aproveitar o momento agora.
O dinheiro é o que todos almejam, mas ele não traz a felicidade. Ele te dá condições para ser feliz, assim como ser saudável te da melhor qualidade de vida. Mas essa relação entre dinheiro e felicidade é limitada. A chave da felicidade é ver que estar com a família e amigos. Não precisamos estar alegres o tempo todos, ser feliz é perceber que podemos ficar tristes, a felicidade está sempre com você, talvez quando você nem percebe.
E como disse Voltaire, deixar os outros felizes nos deixa feliz. Não precisamos buscar a felicidade, só precisamos aprender a aproveitar o agora e não se estressar com detalhes banais porque a vida não se resume a isso. Não se culpe pelo seus erros dos outros, a vida é feita de experiências, tentativa e erros, e é só assim que aprendemos a lição de que um vida sem rancor e ódio é uma vida feliz

Segue a redação da aluna Carolina Camargo Silva do 9 ano D
FELICIDADE PLENA
“O desejo da felicidade verdadeira liberta o homem do apego imoderado aos bens deste mundo, para se realizar na visão e na bem-aventurança de Deus.”
Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 2548
A felicidade está em Deus e não no mundo, ou nas coisas do mundo. Aquele que crê, toma posse da felicidade, porque esta, não depende de fatos e acontecimentos, mas sim da certeza da vitória.
 Ser feliz é um estado de espírito. Dificuldades, tropeços e tormentas estão presentes na vida de cada um, e não precisam ser sinônimos de tristeza. Para quem crê, as dificuldades são uma nova chance de recomeçar.
        Muitas pessoas associam “alegria” a “felicidade”. Alegria é um momento de prazer, em virtudes de fatos e acontecimentos, assim como a tristeza.
        Momentos sucessivos de alegria não constroem uma felicidade, pois as coisas do mundo não preenchem completamente o nosso coração. Apesar de nos darem esta ilusão.
        Quando não colocamos nossa felicidade em Deus, nos momentos de tribulação, a tristeza, o desânimo e a falta de esperança tomam conta do nosso coração, e nos distanciamos da felicidade plena.
                                          













8 comentários:

  1. Está muito bom seu blog.
    Parabéns!
    Gostei dos temas.

    ResponderExcluir
  2. Carol,excelente iniciativa a criação do blog! Parabéns!!!Adorei as propostas de redação. Vou copiar...rsrsrs.

    ResponderExcluir
  3. Fátima Trindade Verdinelli4 de maio de 2012 16:21

    Que lindos Carol, parabéns pela iniciativa! Não poderia ser diferente vindo de você, uma pessoa especial! Parabéns aos seus alunos e a você!

    Amei as redações!!

    ResponderExcluir
  4. Heloisa Helena Arneiro Lourenço Barbosa6 de maio de 2012 05:28

    Carol, querida! Lindo, interessante e encantador esse seu blog. Ele se parece com você. Parabéns para seus alunos talentosos tb. Bjs cheios de saudade.

    ResponderExcluir
  5. Carol Camargo, sua redação ficou muito linda! Uma ótima ideia de relacionar a fé cristã com a felicidade, mostrando que a verdadeira felicidade não está nas coisas do mundo, mas em Deus. Acho que ninguém mais teve essa ideia, embora muitos (assim como eu) pensem como você. Muito bonita e reflexiva. Parabéns! Bjs, Carol Martins.

    ResponderExcluir
  6. hehe mto bom... pena q eu perdi minhas redações mas eu ainda as acho! kkkk
    joão do B aqui ^^
    a carol, tenta fazer uma acc do aADsense para este blog, dai cada um q clicar em algum anucio, vc lucra(sem spam)

    ResponderExcluir
  7. os alunos souberam apliar,aprofundar,trabalhar bem o sentido da frase,usando como tema

    ResponderExcluir
  8. Carol Camargo merece 1000 pts nessa redação

    ResponderExcluir

Queridos leitores:
Deixem seus comentários, eles são importantes para nós!
Abraços,
Editoras do Blog.